terça-feira, 25 de novembro de 2014

4 Portas na Mesa em Sobral/Ceará


 Divulgação




A 4 Portas na Mesa, ainda não abriu suas portas para o público de Sobral, mas já está sendo ocupada pelos seus artistas com ensaios e reuniões. Esse também é um dos objetivos da 4 Portas, ser ponto de encontro e referência para os artistas locais.






Estamos fazendo contatos e formando núcleos nos vários segmentos da arte em Sobral, como Teatro, Dança, Artes Plásticas, Música e Literatura, para que em Janeiro a casa comece a funcionar de fato.



Estamos também formando turmas com inicio em Janeiro pra os Cursos de:
Interpretação Teatral
Direção Teatral
Interpretação para Cinema e TV
Os Cursos serão ministrados por Chico Expedito




Outros cursos e oficinas de outras áreas, virão ao seu tempo.
Entre em contato conosco pelo e-mail 4portascpc@gmail.com e faça sua reserva.
Conheça nosso trabalho e se mantenha atualizado por esse Blog  ou pela nossa página no Facebook. Lá você encontrará todas as informações.

As Portas estão Abertas.


sábado, 18 de outubro de 2014

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

4 Portas Na Mesa






Estamos coordenando os trabalhos de implantação do Centro de Produção Cultural da produtora carioca 4 Portas na Mesa em Sobral – CE

A 4 Portas na Mesa finalmente começa a virar realidade no Vale do Acaraú. Muito em breve abriremos nossa sede em Sobral e vai funcionar na Rua Cons. Jose Júlio 484, no bairro do Patrocínio.




Acima o logo da nossa primeira realização, a criação da Escola Livre de Teatro que vai oferecer cursos longos e continuados de Interpretação e Direção Teatral.


Centro de Produção Cultural vai contar com Teatro/sala de aula, recepção, Biblioteca, Café 4 Portas, Oficina, depósito, sala de reunião e sala de ensaio. 

terça-feira, 3 de junho de 2014

Tirinhas Inspiradas II

Tirinhas Inspiradas II






























(da internet)






domingo, 20 de abril de 2014

Homenagem


Toni Newmam

Nossa homenagem a Toni Newmam, Ator e Produtor Cultural. Deixa um vazio na cultura em Sobral e no coração dos amigos.
Tenho boas lembranças e orgulho da nossa convivência em diversas oficinas e no espetáculo "Esperando Godot", um trabalho brilhante do Toni. Vamos lembrar dele no palco como deve ser.



fotos originais de ensaio "Denis Leão" (cortadas e modificadas em licença poética)








fotos do espetáculo "Wellington Macedo"

terça-feira, 18 de março de 2014

Opinião



Serendipidade






Um artigo sobre um livro sobre a Serendipidade, bom pra refletir.
(Chico Expedito)




Em um mundo cada vez mais racionalizado e programado, que limita a liberdade na ciência, nas relações sociais e na internet, pesquisadores defendem o retorno à serendipidade, a arte de descobrir o inesperado

Por Bolívar Torres


Inventado em 1754 pelo inglês Horace Walpole, o termo serendipidade expressa um conceito velho como o mundo: a arte de encontrar o que não se está procurando. Sua origem está na milenar lenda oriental “Os três príncipes de Serendip”, sobre viajantes que, ao longo do caminho, fazem descobertas felizes sem nenhuma relação com seu objetivo original. Trata-se de um estado de espírito, um poder de percepção aberto à experiência, à curiosidade, ao acaso e à imaginação, que ao longo dos séculos esteve na origem de grandes eventos históricos (como a invenção acidental da penicilina por Alexander Fleming ou a descoberta da América por Cristóvão Colombo).


Embora obscura e de difícil pronúncia, a palavra está cada vez mais presente em pesquisas acadêmicas. Esquecido por muito tempo, o conceito virou bandeira de diversos especialistas, que encontraram na antiga lenda oriental um contraponto a uma sociedade demasiadamente controlada e programada, que não deixa margem para o risco e as descobertas fortuitas. Em artigos, livros e conferências, eles lamentam a perda da capacidade de se deixar levar pelo acaso, seja na pesquisa científica, nas relações sociais e até mesmo na internet, onde os caminhos antes sinuosos do hipertexto se encontram ameaçados. 


Autora de “Serendipité: Du conte au concept” (“Serendipidade: Do conto ao conceito”, em tradução livre), lançado em janeiro na França pela Éditions du Seuil, Sylvie Catellin acredita que a história de Serendip nos devolve uma maneira mais livre de apreender o mundo e de se relacionar com o conhecimento.


Em todos os campos, seja científico, pessoal ou artístico, vivemos uma ditadura do número, da rentabilidade, dos modelos fechados e hiperracionalizados — aponta Sylvie, professora de ciência, cultura e comunicação na universidade de Versailles-Saint-Quentin-en-Yvelines. — O sucesso da serendipidade é uma resposta a este mal-estar contemporâneo. É algo muito forte, porque vem lá de trás, de um conto milenar, que viajou por todas as culturas, línguas e épocas. Com a serendipidade, você inventa suas regras e desvia dos caminhos batidos. Ela reumaniza o mundo e nos devolve a fantasia, a imaginação, a consciência, o prazer de ver aquilo que os outros não veem.


Segundo Sylvie, há um mal-entendido recorrente quando o assunto é serendipidade. Ao contrário do que muitos pensam, a palavra não remete apenas a achados acidentais, mas a uma mistura de sagacidade e acaso. Para fazer grandes descobertas, é necessário prestar atenção aos sinais — e saber interpretá-los. Afinal, as revelações dos príncipes de Serendip só foram possíveis porque eles sondaram as surpresas à sua volta, expandindo seus horizontes com a mente preparada. 


Todas as grandes descobertas tiveram em seu processo de origem a serendipidade, porque nunca sabemos exatamente onde é preciso pesquisar — afirma Sylvie. — E isso mostra que não podemos programar as descobertas. Por outro lado, há toda uma corrente da ciência atual que trabalha com objetivos, resultados e calendários pré-definidos. São pesquisas que acabam seguindo apenas uma única direção. 


A própria lógica do mundo contemporâneo, dividido em nichos e grupos de afinidades, não promoveria o espírito explorador. Diretor do Centro para Mídia Cívica do Massachusetts Institute of Technology (MIT) e autor de diversos livros sobre a liberdade na internet, o americano Ethan Zuckerman é um dos principais críticos da homofilia — a tendência das pessoas em criar vínculos com aqueles que compartilham os mesmos interesses, valores,cultura, etc. Um fenômeno crescente tanto na estrutura de nossas cidades, fragmentada em guetos sociais, culturais e econômicos, quanto na mentalidade comunitária que tomou conta da internet. Como os sistemas de pesquisa, os aplicativos para celular e os filtros das redes sociais nos oferecem a possibilidade de buscar exatamente aquilo que queremos (ou, pelo menos, aquilo que acreditamos que queremos), estaríamos, em todos os aspectos de nossas vidas, trocando o risco pela segurança, sugere Zuckerman. 


Serendipidade e risco estão intimamente conectados — explica Zuckerman. — E um dos problemas do mundo contemporâneo é que não há estímulo para o risco.


Deslocamentos previsíveis


Zuckerman vê semelhanças entre a evolução dos espaços urbanos e do funcionamento das redes digitais. Em sua origem, ambos se apresentavam como um motor de serendipidade ao ligar diferentes tipos de pessoas e promover o encontro com o estranho e o inesperado. Mas, assim como até mesmo os moradores das capitais cosmopolitas se isolam em guetos, a internet passou a fechar seus usuários em bolhas de afinidades. As redes sociais conectam cada vez mais indivíduos — só que a maioria deles com interesses muito parecidos. 


A maior parte dos moradores das cidades se desloca por um número muito pequeno de lugares — analisa. — Poucas pessoas experimentam o que uma cidade pode oferecer. E essa tensão entre a oportunidade de diversidade oferecida pela cidade e a realidade do nosso isolamento é muito próxima do nosso uso da internet. Por exemplo, eu me considerava uma pessoa muito plural. Mas, quando George W. Bush foi reeleito, me dei conta que quase todos os meus contatos nas redes tinham posições políticas parecidas com as minhas.


Segundo Zuckerman, nossa perspectiva é muito menos diversa do que pensamos — e a limitação não data de agora. Em 1952, o sociólogo francês Paul-Henry Chombart de Lauwe já mostrava que os deslocamentos de uma estudante parisiense podiam ser bastante previsíveis; ao transcrever os percursos cotidianos da jovem em um mapa da cidade, notou que se sobressaía um triângulo ligando o apartamento dela à universidade em que estudava e à residência da sua professora de piano. O esquema traduzia “a estreiteza da verdadeira Paris em que cada indivíduo vive”.


Algo parecido aconteceu com a internet. Até pouco tempo, o hipertexto era, de fato, uma ferramenta notável de serendipidade. Em um simples clique, pulava-se livremente de uma página a outra, viajando sem muita lógica entre conteúdos discrepantes. Partia-se de uma busca sobre física quântica na Wikipedia e acabava-se em um blog anônimo sobre complôs alienígenas. Nos últimos anos, porém, a navegação se tornou menos dispersa e mais centralizadora. Um punhado de grupos como Yahoo, Google, Facebook e Microsoft formaram uma espécie de condomínio, do qual poucos usuários costumam se afastar.


Ao entregar nossos dados para essas empresas, permitimos que elas personalizassem nossa experiência na web. Baseando-se num histórico pessoal de navegação, sites como Google e Facebook criam uma hierarquia de conteúdo, priorizando aquilo que eles consideram mais pertinente para seus usuários. É o que muitos chamam de “ditadura do algorítimo”: as máquinas teriam criado uma ilusão de serendipidade, nos fazendo acreditar que nossos achados na internet são obra do acaso, quando na verdade foram guiados por um robô.


Autor de “O filtro invisível — o que a internet está escondendo de você” (Zahar), o ativista Eli Pariser acredita que nossa experiência na web se tornou uma espécie de “bolha de filtro”. Em um mundo com sobrecarga de informação, os algorítmos praticariam uma forma muito sutil de censura, escolhendo as notícias às quais estamos interessados — mas que não são necessariamente aquela que precisamos ver. Esta curadoria, admite Pariser, sempre existiu: a diferença é que ela não é mais feita por humanos, e sim por máquinas. Outro problema é que se trata de uma edição invisível, que se apresenta como neutra quando na verdade não é.


O que estamos vendo agora é a passagem de tocha dos editores humanos para os algorítimos — lembrou Pariser, em uma de suas palestras no TED. — Só que os algorítimos não têm o mesmo tipo de ética embutida dos editores. Se são mesmo os algorítimos que vão fazer a curadoria do mundo para nós, então precisamos nos certificar que eles não irão apenas se basear em relevância. Precisamos nos certificar que eles também nos mostrarão coisas que nos deixam desconfortáveis, coisas que são desafiadoras e importantes.


Terra incógnita


O próximo desafio do mundo digital, acredita Ethan Zuckerman, é repensar uma internet que, de fato, nos conecte com estranhos e nos faça descobrir o impensado. 


É possível construir ferramentas que aumentem a serendipidade — avalia Zuckerman. — No momento, tenho uma aluna que está trabalhando em um projeto chamado Terra Incógnita. Com sua permissão, a ferramenta entra no seu browser, olha para os artigos que você lê e percebe quais tópicos você se interessa de forma geral, e em que países você está procurando por eles. Digamos que, depois de uma semana, a ferramenta descobre que você se interessa por direitos humanos, mas também pelo Brasil. Ela então lhe propõe artigos sobre este tópico, mas em diferentes partes do mapa, oferecendo uma maior diversidade. Para se ter serendipidade, você precisa saber o que a pessoa quer, mas também aquilo que ela não sabe, e tendo consciência de que há partes do mundo que ela não conhece.


O futuro promete novas ferramentas, mas nem todas parecem estimular a serendipidade. Sylvie Catellin teme a popularização do Google Glass, um acessório em forma de óculos que possibilita a interação dos usuários com conteúdos em realidade aumentada (“Como o ‘1984’, de George Orwell, vão nos dizer o que devemos ver”, justifica) e de sites e aplicativos de relacionamento, como o Lulu e Tinder, que reduzem os encontros afetivos à efetividade da lógica de mercado.


Todo progresso traz junto uma regressão — opina Sylvie. — Mas não é a técnica em si que nos desumaniza, e sim a maneira como a usamos. O importante é que a técnica não nos simplifique, não nos coloque em padrões e números. Por isso a serendipidade é um chamado para a liberdade, para a desprogramação da nossa vida. É algo que não podemos modelizar, mas podemos assimilar para ir além das nossas vontades, além dos nossos encontros.


(Da coluna PROSA de O GLOBO)






Serendipismo: 
Descoberta por Acidente e Sagacidade


A LENDA ORIGINAL
“No país de Serendip (hoje Sri Lanka) há muito tempo atrás, havia um rei chamado Giaffer, o qual tinha três filhos. A estes, proporcionou o monarca a melhor educação sob a tutela dos mais sábios mestres, tanto em matéria de ciência quanto de moral. Ao final do processo educacional, quis Giaffer testar os filhos e lhes chamando disse:
– Filhos, estou velho e já governei por muito tempo; vou me retirar do governo para viver uma vida de busca espiritual. Quero que vocês tomem conta do Reino.
Um a um, os três renunciaram à oferta, dizendo não serem dignos desse poder. Surpreendido com a sabedoria deles, mas não satisfeito, o Rei finge-se furioso com a negação e os manda para uma longa jornada.
Aconteceu que, mal haviam chegado ao exterior, resolvem descobrir pistas para identificar com precisão um camelo que jamais haviam visto. Concluem, então, que o camelo é coxo, cego de um olho, sem um dos dentes, transportando uma mulher grávida, e carregando mel de um lado e manteiga do outro.
Quando, depois, encontraram um comerciante que procurava um camelo, relataram as suas observações. O comerciante, pasmo, acusa-os de terem roubado o camelo e leva os três príncipes diante do Imperador Bahram, exigindo punição.
Os três príncipes negam qualquer crime, ao que Bahram indaga como poderiam ter sido capazes de descrever com tanta precisão um camelo sem nunca o terem visto. A partir das respostas, baseadas em evidências somadas em pequenas pistas, dadas pelos três príncipes, percebe a inteligência dos herdeiros de Serendip na identificação do camelo.
Os príncipes disseram que, como a grama havia sido comida pelo lado da estrada onde estava menos verde, haviam deduzido que o camelo era cego do outro lado. Também falaram que havia pedaços de grama semi mastigados na estrada, do tamanho de um dente de camelo, eles deduziram que haviam caído através do espaço deixado por dente perdido na boca do animal.
Como as faixas de marcas na estrada deixavam as impressões de apenas três patas, a quarta estava sendo arrastada, indicando pelo que devia ser coxo.
A questão da carga tinha sido muito simples, posto que haviam formigas de um lado indicando que foram atraídas pelo mel, de um lado da estrada, e o outro lado mostrava nódoas de manteiga derramada.
Quanto ao transporte da mulher, um dos príncipes disse: “Imaginei que o camelo transportava uma mulher, porque havia notado, próximo à trilha, onde o animal deixara marcas de ajoelhar-se, o rastro visível de pés, claramente femininos, onde tinha resquícios de urina humana que, pelo seu próprio odor, denotava ter sido deixados por uma mulher que tinha mantido relações sexuais há algum tempo.
O outro príncipe, esclareceu que concluíram a gravidez da mulher, pois próximo às marcas dos pés, haviam marcas de mãos femininas, denotando que ela havia se apoiado com as mãos para urinar o que configurava o peso da gravidez.
No momento que terminavam o relato ao Imperador, adentrou à corte, um viajante que discorreu ter encontrado o camelo vagando pelo deserto e que o havia reconduzido ao dono, bem como sua carga e transporte.
O Imperador Bahram, além de, evidentemente, poupar as vidas do três príncipes, os encheu de ricas recompensas e os elegeu conselheiros do Império
.

(Os três príncipes saíram, então, de Serendip e seguiram a caminho do reino de um poderoso imperador chamado Beramo. Durante sua estada nesse reino, diversas ocorrências são elucidadas pelos três príncipes, impressionando o imperador Beramo pela sagacidade deles. Assim, Beramo os convida a permanecer em seu reino. Durante esse período, os três príncipes recebem várias tarefas do imperador, sendo todas elas cumpridas. Todavia, enquanto os príncipes estiveram ausentes do reino na execução de uma tarefa, Beramo passa por um sofrimento por causa de uma paixão. Isto é narrado no livro através de 7 poemas e ao final os três príncipes com sabedoria ajudam o imperador a superar o sofrimento. Depois disso, eles retornam a Serendip e a estória termina com os três príncipes tornando-se em sábios governantes.
Em função dessa estória, Horace Walpole (1717-97), filho do primeiro ministro Robert Walpole, antiquário e autor do romance gótico “The Castle of Otranto” (Londres, 1765), usou a palavra `serendipity’ em uma de suas correspondências para o enviado do rei George II (Florença). Pode-se dizer que este foi o primeiro registro encontrado da palavra e esta correspondência juntamente a outras encontram-se contidas nos 31 volumes de correspondências de Horace Walpole (New Haven, 1937), editado por Wilmarth Sheldon Lewis.)


Quando Nasci


Quando nasci




Quando nasci, era preto.
Quando cresci, era preto.
Quando pego sol, fico preto.
Quando sinto frio, continuo preto.
Quando estou assustado, também fico preto.
Quando estou doente, preto.
E, quando eu morrer continuarei preto !

E tu, cara branco.
Quando nasce, é rosa.
Quando cresce, é branco.
Quando pega sol, fica vermelho.
Quando sente frio, fica roxo.
Quando se assusta, fica amarelo.
Quando está doente, fica verde.
Quando morrer, ficará cinzento.

E vem me chamar de homem de cor ?

(Escrito por uma criança Angolana)

sábado, 22 de fevereiro de 2014

Pra mim tudo a ver


Pra mim, tudo a ver (do blog) 
      


                      Zygmunt Bauman




Zygmunt Bauman (Poznań19 de novembro de 1925) é um sociólogo polonês que iniciou sua carreira na Universidade de Varsóvia, onde teve artigos e livros censurados e em 1968 foi afastado da universidade. Logo em seguida emigrou da Polônia, reconstruindo sua carreira no Canadá, Estados Unidos e Austrália, até chegar à Grã-Bretanha, onde em 1971 se tornou professor titular da universidade de Leeds, cargo que ocupou por vinte anos. Lá conheceu o filósofo islandês Ji Caze, que influenciou sua prodigiosa produção intelectual, pela qual recebeu os prêmios Amalfi (em 1989, por sua obra Modernidade e Holocausto) e Adorno (em 1998, pelo conjunto de sua obra). Atualmente é professor emérito de sociologia das universidades de Leeds e Varsóvia.

Tem mais de dezesseis obras publicadas no Brasil, dentre as quais Amor LíquidoGlobalização: as Consequências Humanas e Vidas Desperdiçadas. Bauman tornou-se conhecido por suas análises das ligações entre a modernidade e o holocausto, e o consumismo pós-moderno.

(texto Wikipédia)


      vivemos o fim do futuro

A revista Época publicou uma entrevista exclusiva com o filósofo polonês Zygmunt Bauman. Na conversa com o editor de cultura da Época, Luís Antônio Giron, Bauman, considerado um dos pensadores mais eminentes do declínio da civilização, fala sobre como a vida, a política e os padrões culturais mudaram nos últimos 20 anos.
As instituições políticas perderam representatividade porque sofrem com um “déficit perpétuo de poder”. Na cultura, a elite abandonou o projeto de incentivar e patrocinar a cultura e as artes. Segundo ele, hoje é moda, entre os líderes e formadores de opinião, aceitar todas as manifestações, mas não apoiar nenhuma. Leia a entrevista.


Entrevista Zygmunt Bauman: "Vivemos o fim do futuro”
por Luís Antônio Giron para Época (19/02/2014)




Época: De acordo com sua análise, as pessoas vivem um senso de desorientação. Perdemos a fé em nós mesmos?

Zygmunt Bauman: 
Ainda que a proclamação do “fim da história” de Francis Fukuyama não faça sentido (a história terminará com a espécie humana, e não num momento anterior), podemos falar legitimamente do “fim do futuro”. Vivemos o fim do futuro. Durante toda a era moderna, nossos ancestrais agiram e viveram voltados para a direção do futuro. Eles avaliaram a virtude de suas realizações pela crescente (genuína ou suposta) proximidade de uma linha final, o modelo da sociedade que queriam estabelecer. A visão do futuro guiava o presente. Nossos contemporâneos vivem sem esse futuro. Fomos repelidos pelos atalhos do dia de hoje. Estamos mais descuidados, ignorantes e negligentes quanto ao que virá.

Época: Segundo o senhor, a decadência da política acontece desde o século passado. A situação piorou agora? 

Zygmunt Bauman: 
A decadência da política é causada e reforçada pela crise da agenda política. As instituições amarram o poder de resolver os problemas à política. Ela seria capaz de decidir que coisas precisariam ser feitas. Nossos antepassados conceberam uma ordem que dependia dos serviços do Estado-nação. Mas essa ordem não é mais adequada aos desafios postulados pela contínua globalização de nossa interdependência. Com a separação do poder e da política, a gente se encontra na dupla situação de poderes livres do controle político e da política que sofre o déficit perpétuo do poder. Daí a crise de confiança nas instituições políticas, uma vez que a política investiu nos parlamentos e nos partidos para construir a democracia como atualmente a compreendemos. Mais e mais pessoas duvidam que os políticos sejam capazes de cumprir suas promessas. Assim, elas procuram desesperadamente veículos alternativos de decisão coletiva e ação, apesar de, até agora, isso não ter representado uma alteração efetiva.
Época: As redes sociais aumentaram sua força na internet como ferramentas eficazes de mobilização. Como o senhor analisa o surgimento de uma sociedade em rede?

Zygmunt Bauman: Redes, você sabe, são interligadas, mas também descosturadas e remendadas por meio de conexões e desconexões... As redes sociais eram atividades de difícil implementação entre as comunidades do passado. De algum modo, elas continuam assim dentro do mundo off-line. No mundo interligado, porém, as interações sociais ganharam a aparência de brinquedo de crianças rápidas. Não parece haver esforço na parcela on-line, virtual, de nossa experiência de vida. Hoje, assistimos à tendência de adaptar nossas interações na vida real (off-line), como se imitássemos o padrão de conforto que experimentamos quando estamos no mundo on-line da internet.


Época: Os jovens podem mudar e salvar o mundo? Ou nem os jovens podem fazer algo para alterar a história?

Zygmunt Bauman: Sou tudo, menos desesperançoso. Confio que os jovens possam perseguir e consertar o estrago que os mais velhos fizeram. Como e se forem capazes de pôr isso em prática, dependerá da imaginação e da determinação deles. Para que se deem uma oportunidade, os jovens precisam resistir às pressões da fragmentação e recuperar a consciência da responsabilidade compartilhada para o futuro do planeta e seus habitantes. Os jovens precisam trocar o mundo virtual pelo real.
Época: Como o senhor vê a nova onda de protestos na Europa, no Oriente Médio, nos Estados Unidos e na América Latina, que aumentou nos últimos anos?

Zygmunt Bauman: Se Marx e Engels escrevessem o Manifesto Comunista hoje, teriam de substituir a célebre frase inicial – “Um espectro ronda a Europa – o espectro do comunismo” – pela seguinte: “Um espectro ronda o planeta – o espectro da indignação”. Esse novo espectro comprova a novidade de nossa situação em relação ao ano de 1848, quando Marx e Engels publicaram o Manifesto. Faltam-nos precedentes históricos para aprender com os protestos de massa e seguir adiante. Ainda estamos tateando no escuro.

Época: O senhor afirma que as elites adotaram uma atitude de máximo de tolerância com o mínimo de seletividade. Qual a razão dessa atitude?

Zygmunt Bauman: Em relação ao domínio das escolhas culturais, a resposta é que não há mais autoconfiança quanto ao valor intrínseco das ofertas culturais disponíveis. Ao mesmo tempo, as elites renunciaram às ambições passadas, de empreender uma missão iluminadora da cultura. A elite deixou de ser o mecenas da cultura. Hoje, as elites medem sua superioridade cultural pela capacidade de devorar tudo.


Época: Essa diluição dos valores explica por que artistas como Damian Hirst e Jeff Koons buscam mais fama do que reconhecimento artístico?

Zygmunt Bauman: Prefiro não generalizar sobre esse tema. Os artistas, suas performances e produtos são hoje em dia muitos e diferentes, e os veredictos apressados são equivocados. Pessoalmente, detesto e me aborreço com os Damiens Hirsts, Jeff Koons e similares.
(ler sobre a obra de Damiens Hirsts e Jeff Koons no final da postagem) Mas eles são ostensivamente sustentados pelas correntes e modas guiadas pelo mercado. Os mercados usurparam o mecenato das artes das igrejas e dos Estados. Por isso, o meio é realmente a mensagem da arte contemporânea.
Época: Como diz o crítico George Steiner, os produtos culturais hoje visam ao máximo impacto e à obsolescência instantânea. Há uma saída para salvar a arte como uma experiência humana importante?

Zygmunt Bauman: Bem, esses produtos se comportam como o resto do mercado. Voltam-se para as vendas de produtos na sociedade dos consumidores. Uma vez que a busca pelo lucro continua a ser o motor mais importante da economia, há pouca oportunidade para que os objetos de arte cessem de obedecer à sentença de Steiner...


Época: O senhor diz que a cultura se tornou dependente da moda. Por que isso ocorre?

Zygmunt Bauman: Modas vêm e vão e são tão velhas quanto a cultura, tão antigas quanto o homo sapiens... O que a fez tão espetacularmente presente em nossa vida diária é o impacto combinado da comunicação digital em tempo real e da produção em massa com a associação entre butiques de alta-costura e grandes redes de lojas. As manifestações culturais e artísticas são arrastadas pelo motor da moda.
Época: A moda pode dar sentido à vida das pessoas?

Zygmunt Bauman: A moda tem seus usos e uma demanda enorme e crescente. Ela fornece um modelo para a constante troca de identidades de nosso mundo. Funciona também como antídoto contra o horror de falhar num mundo em alta velocidade e contra o resultante abandono e degradação social. Não há nada de inútil na moda. Pelo contrário, é uma necessidade num mundo de flutuação e desorientação.
Época: Seus livros parecem pessimistas, talvez porque abram demais os olhos dos leitores. O senhor é pessimista? Ou busca a alegria de alguma forma, apesar de todos os problemas?

Zygmunt Bauman: A meu ver, os otimistas acreditam que este mundo é o melhor possível, ao passo que os pessimistas suspeitam que os otimistas podem estar certos... Mas acredito que essa classificação binária de atitudes não é exaustiva. Existe uma terceira categoria: pessoas com esperança. Eu me coloco nessa terceira categoria. De outra forma, não veria sentido em falar e escrever...



                                                    Damian Hirst









A morte é o tema central da sua obra, que sempre esteve rodeada de grande polémica mais ou menos premeditada e, por conseguinte de um grande seguimento mediático; por exemplo, as autoridades de New York proibiram a exposição do seu "casal morto fodendo duas vezes", dos cadáveres de um touro e uma vaca flutuando em formol. Esta última pertence à sua série de obras mais conhecida, Natural History na qual distintos animais mortos como um tubarão, uma ovelha ou uma vaca são conservados e por vezes cortados dentro de tanques de formaldeído. É ainda conhecido por seus "spin paintings", realizados sobre una superfície giratória, e pelos seus "spot paintings", círculos coloreados aleatoriamente.
O seu trabalho mais icónico e polémico, The Physical Impossibility Of Death In the Mind Of Someone Living (Impossibilidade física da morte na mente de alguém vivo), um enorme tubarão tigre numa vitrina cheia de formaldeído, foi vendido em 2004 como a segunda obra mais cara de um artista em vida (depois de Jasper Johns), rondando os dez milhões de dólares. Devido à decomposição do tubarão-tigre, foi substituído com um novo espécime em 2006.
Em Agosto de 2007, este escultor vendeu por 100 000 000 USD (cem milhões de dólares), a obra 'Pelo amor de Deus', que consiste num crânio com mais de oito mil diamantes incrustados. O montante desta transação é o mais alto pago até à data por uma obra de um artista vivo.
(Texto Wikipédia)



                                                      Jeff Koons









O artista conceitual Jeff Koons usou de várias ideias e materiais para construir suas obras. Nessa diversidade estão:
·         PUPPY - um cachorro formado por flores, medindo 16 metros de altura, construído num jardim de um palácio. Esse trabalho, ele fez em protesto por não ter participado da Documenta de Kassel, em 1992, na Alemanha. Ele comparou a cidade alemã à Disneylândia. Atualmente a "escultura"está no Museu Guggenheim de Bilbao.
·         BRANCUSI - um coelho feito de plástico espelhado, imitando aço inoxidável policio. Nessa obra, o significado não está reconhecido, está aberto; ele reflete a personalidade do observador; ele se adequa ao ambiente como um camaleão.
·         SÉRIE DE OBJETOS DE PORCELANA- o artista fazia encomendas, a artesões, de pequenos objetos populares: estátuas religiosas (anjinhos), animais caricaturados (cachorrinhos, ursinhos) e até de alguns ícones populares (Michael Jackson, pantera cor-de-rosa), arranjo de flores-objetos presentes no cotidiano. Assim, ele se apropria de elementos estéticos da cultura de massa (que já possuem uma função), descontextualizando-as.
·         SÉRIE ‘MADE IN HEAVEN’ - o artista apresentava uma série de fotos gigantescas onde apresentava atos sexuais explícitos, assim como fotos dele mantendo relações sexuais com a atriz-pornô Cicciolina (a ícone do gênero). O tema de Koons nesse trabalho seria a validade da pornografia como arte. Segundo Koons, as imagens não possuem o objetivo de produzir atração sexual nos observadores, elas apenas mostram a intimidade de um casal - quebrando um padrão de moral, o que diferencia é a intenção. Essa afirmação é bastante discutível, mas a discussão levantada pelo artista tem sido considerada com frequência por artistas contemporâneos.
·         ICON GOOGLE - a 30 de Abril de 2008, o logotipo apresentado na página do Google é criação de Kooks. .
·         Colaborações com Lady Gaga - a capa do 3ª álbum de estúdio de Lady GagaARTPOP foi criada pelo artista e divulgada na Times Square a 07/10/2013. C (ver capa) Criou também esculturas para um evento da cantora, a ArtRave, suas obras foram expostas no dia 11/11/2013. Tem seu nome citado na música Applause.
As relações que seus trabalhos possuem com o conceito de kitsch é que ele transforma o que é kitsch em obra de arte. Por exemplo: na obra PUPPY ele usa um jardim, que já possui uma função estética de pura decoração, em uma ironia dentro de um contexto específico; o coelho BRANCUSI ele juntou a vontade de emitir do emissor com a vontade de receber do receptor, para transformar o kitsch objeto em arte; as porcelanas põem em questão: obra de arte ou objeto de cultura de massa?.
(Texto Wikipédia)


Chico Expedito – fev/2014